segunda-feira, 16 de junho de 2014

Grimm – Balanço da 3ª temporada


Acertando cada vez mais.

Pode-se dizer que Grimm segue um certo padrão inconsciente de temporadas. Começa ótima, fica meio parada, tem um mid-season finale incrível, depois fica mais ou menos até entrar num ritmo alucinante para os últimos episódios e encerra de uma forma inacreditável. Nessa 3ª temporada o padrão se manteve, com a diferença de que mesmo nas fases mais paradas conseguiu se manter interessante e prender o telespectador.

A temporada começou a todo vapor, com Nick zumbi enquanto o pessoal tentava descobrir uma cura para a toxina do Cracher-Mortel e até mesmo encontrá-lo. As sequelas desse acontecimento deram a impressão de que Nick seria mudado pra sempre, principalmente por precisar lidar com o fato de que matou uma pessoa inocente. Mas as crises foram deixando de acontecer aos poucos até sumirem. E se o motivo foi explicado não me marcou, pois não lembro. De qualquer forma, foi mesmo bom ter Nick totalmente de volta ao seu estado normal.


Os casos cumpriram melhor do que nunca a proposta da série, de relacionar contos e mitos antigos aos crimes que dizem respeito. Com alguns até dando abertura para críticas sociais. Tivemos uma ótima adaptação d'A Pequena Sereia tratando sobre o ponto em que tradições deixam de ser saudáveis. Dois casos sobre violência doméstica, sendo que um deles teve como pano de fundo a lenda mexicana do El Cucuy que levou Juliette a procurar novamente a simpática Señora Pilar que a ajudou no passado. Um inacreditável protozoário Wesen, que seria a explicação das possessões demoníacas. Mais um histórico episódio de Natal que dessa vez teve adaptação de um mito relacionado a data, o Krampus. Uma Gang Wesen, que infelizmente levou mais um relacionamento de Hank ao fim antes mesmo de começar mas pelo menos mostrou Juliette detonando. Vinganças envolvendo um segredo militar, que contou com participação de Kirk Acevedo. Um eletrizante caso com a lenda filipina do Aswang, que deu um grande foco ao querido Wu. Ótimas explicações de quais seriam as origem dos deuses meio humanos e meio animais de algumas civilizações antigas, assim como das atrações bizarras de circo. Uma gang que roubava roupas de grife numa versão da Cinderella. E por aí vai.


Monroe e Rosalle não estiveram tão ativos no início da temporada, ao menos assim me pareceu. Mas isso mudou depois que foram morar juntos e da mancada dele com a decoração de Natal. Depois que Monroe pediu Rosalle em casamento então nem se fala. Conheceram a família um do outro, experiências que a principio não deram muito certo. Mas no fim todos entenderam que o amor é maior que tudo, até mesmo que a rivalidade entre espécies. Acompanhar os preparativos e até o stress dos noivos foi ótimo. (“Minha família, sua família. Um Grimm! O que tínhamos na cabeça?!”) Amamos Rosalle e Monroe e foi impossível não torcer pra que tivessem o belo casamento que mereciam, mas infelizmente houve imprevistos catastróficos. Começou bem esse casamento heim?


Adalind continuou por um tempo que parecia ser infinito com aquele ritual pra lá de nojento pra recuperar seus poderes de Hexenbiest. Cheguei a dar graças a Deus quando enfim os recuperou. E então só faltava o plot do bebê, que demorei um pouco pra entender onde iria chegar. Mas não é que Adalind me surpreendeu como mãe? Achei lindo seus instintos maternos dominando tudo. Queria tanto que ela e o Renard formassem uma família... Mas gente, cheguei a chorar com o desespero de Adalind quando tiraram a bebê dela. E ela já provou que será capaz de literalmente tudo para ter sua filha de volta. Mostrando para Nick que aqui se faz e aqui se paga. Mas o que essa menina tem de tão especial, além de ser herdeira da realeza, para que sua criação determine a salvação ou ruína da humanidade?


E pra encerrar, volto ao nosso protagonista. Foi legal descobrir que Nick tinha a mesma duvida que nós sobre como um Wesen reconhece um Grimm. Nunca imaginaria que é pelos olhos. Teve que lidar com mais uma visita repentina e bombástica de sua mãe, que partiu mais uma vez quase da mesma forma que apareceu. O mais difícil talvez seja Kelly ter que criar a filha de Adalind sendo que o próprio filho foi criado pela irmã. Nick agora tem mais uma das misteriosas chaves, que recebeu das mãos do velho Grimm Rolek Porter, interpretado por Sam Anderson. Espero que agora a história dessas chaves finalmente comece a se desenrolar e a gente descubra ao quê elas levam. Não vamos esquecer que Nick agora tem uma aprendiz. No início fiquei um pouco receosa com Truble, mas acabei gostando da personagem e da força que inspira. E Truble será fundamental agora que Nick perdeu seus poderes.

Finalmente Wu descobrirá a existência do mundo Wesen? Será o fim do Capitão Renard? Kelly conseguirá cumprir a tarefa de criar a filha de Adalind ou a menina deve voltar para a mãe? Qual será a próxima etapa da guerra entre as famílias reais? Nick e Juliette voltarão a se entender? Recuperará Nick os seus poderes? Trubel dará conta do recado? Aguardem o próximo volume de Grimm.

6 comentários:

  1. Olá, como vai?

    Nunca tinha ouvido falar nessa série.

    Parece ser bem legal.

    Ela é tipo OUAT?

    http://enquantoestavalendo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. GabrielaCeruttiZimmermann17 de junho de 2014 11:10

    Oi, Marcelo.
    Em questão de estilo, acho que Grimm é mais comparável com Supernatural. Só que ao invés de lendas urbanas os vilões são "monstros" dos contos de fadas e folclóricos, como se essas essas histórias não fossem apenas histórias, mas avisos. Já usaram o conto da Chapeuzinho Vermelho para falar de pedofilia, João e Maria pro tráfico de órgãos e por aí vai. São analises bem interessantes.


    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi Gabriela, tudo bem?
    Eu comecei a ver a primeira temporada de Grimm, mas, entre todas as séries que eu assisto/assistia, tive que abandoná-la. :(
    O que me surpreendeu é que eu não sabia que já estava na TERCEIRA temporada. UAU!

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  4. GabrielaCeruttiZimmermann18 de junho de 2014 10:37

    Oi, Laura! Sim, Grimm começou em 2011 e com isso já está na 3ª temporada. Pena que você teve que abandonar.


    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Oi Gabi,

    Quero assistir Grimm logo, desde a primeira temporada que tento encaixar na grade e nada de conseguir. Mas um balanço instigante, serviu para aumentar ainda mais minha curiosidade.

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, bem interessante!

    Coloquei ela na minha lista de espera para assistir muito em breve!

    www.enquantoestavalendo.com

    Se puder/quiser, participe da nossa promoção: http://goo.gl/pFqNTD

    ResponderExcluir