terça-feira, 12 de agosto de 2014

Em (boa) memória


"A cada um de nós, só é dada uma pequena dose de loucura. E você não deve perdê-la." (Robin Williams)

Nunca pensei em escrever uma homenagem póstuma. Não sei escolher as palavras para essa hora, se é que existem palavras para ela. Mesmo quando alguém próximo parte, acabo ficando sem reação. Não consigo chorar e parece que qualquer coisa que eu diga não será suficiente ou será mal interpretada. Talvez porque sempre tive uma visão particular sobre a morte. Choro quando pessoas sofrem, não quando morrem.

Mas existem aquelas mortes que parecem eventos irreais. Acordei hoje com a notícia de que Robin Williams morrera, e ainda não consegui assimilar bem essa ideia. Não parece certo, não parece real. Como um cara que marcou não só a minha infância mas a de várias gerações ao redor do mundo com risos certos tirou a própria vida? Como alguém cuja carreira foi marcada por trabalhos em que a mensagem principal era reconhecer o lado bom de qualquer momento da vida podia sofrer de depressão?

Não julgo suas escolhas e atos. Como diz aquela música dos Titãs, "cada um sabe a alegria e a dor que traz no coração". Seu histórico é antigo e conhecido. Mas isso não importa. O que importa é que Robin Williams, um cara versátil e brilhante no que fazia, deixou sua marca em nós. Era o tipo de cara que não precisa estar todo dia na mídia pra ser lembrado. Que quando é citado em uma roda de amigos todos dizem "adoro esse cara!" E assim será por muito tempo.

Creio que a morte de pessoas como Robin Williams sejam um grande choque por causa disso. Além de serem adorados e um exemplo para muitos, se tornam marcos. Como não adorar sua babá quase (que eu diria muito) perfeita e seu médico palhaço? Patch Adams foi o único palhaço que já consegui gostar. Citar cada filme marcante seria uma tarefa árdua, pois todos o são. E assim se tornou um marco na minha vida mesmo não conhecendo-o pessoalmente. Como se tudo pudesse mudar mas havia a certeza de que sempre teria seus filmes pra me alegrar.

Sempre terei o filmes de Robin Williams para ver e rever quando quiser, mas é triste saber que não haverá futuros trabalhos. Que muitos outros artistas que admiro não chegaram a ter a chance de realizar seu sonho de trabalhar com Robin Williams. Que um cara que podia fazer muito ainda já não vive mais entre nós. Entretanto, será sempre lembrado com carinho e alegria. Um exemplo para os que virão. Descanse em paz, Robin Williams.

4 comentários:

  1. A gente nunca espera que um dos mestres da nossa infância morra assim de uma hora pra outra. É realmente muito triste ter que ler uma homenagem póstuma para um dos maiores atores que fez grandes filmes e que ficará para sempre em nossas memórias.


    www.booksever.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. GabrielaCeruttiZimmermann13 de agosto de 2014 17:29

    É uma pena, Filipe. Mas o que vale são as memórias que guardamos dele.

    ResponderExcluir
  3. Acho que de todas as perdas do ano essa foi a que me deixou mais pra baixo e surpresa :(

    Grande ator! Vai fazer falta!

    Beijos

    http://www.interacaoliteraria.com/

    ResponderExcluir
  4. GabrielaCeruttiZimmermann15 de agosto de 2014 09:34

    Sinto o mesmo, Paula. Fiquei bastante abalada. :'(


    Beijos

    ResponderExcluir