sábado, 23 de agosto de 2014

Gang Related – Balanço da 1ª Temporada


Do clichê ao surpreendente.

Que grande surpresa essa série. Se de início parecia que não tinha muito futuro, que não tinha muitos caminhos por onde ir, isso mudou com o andar da carruagem. Mostrou que o caminho pode ser longo, e quando você acha que sabe por onde vai tudo muda de direção. E mesmo quando acontece o esperado, não é bem da forma que se esperava. Não sei vocês, mas gosto muito desse tipo de série.

Minha reação inicial foi que mesmo tendo uma boa proposta, Gang Related seria mais do mesmo. Mas gradativamente minha opinião foi mudando para “muito bom mas falta algo” até chegar em “isso ainda vai ser genial”. Claro que não chegou ao ponto de ser viciante, mas pode muito bem chegar a esse patamar na próxima temporada. Pois se mostrou uma série que gosta de arriscar, e mesmo quando faz uso de um clichê é tão bem feito que você não liga.

Quando digo que a série se arriscou, não foi pouco não. Teve uma boa quantidade a mais de violência e sangue do que se costuma ver na TV aberta. Nada escrachado como HBO ou Starz, mas cenas de contexto forte. Todavia, arriscaram mesmo foi no enredo e nos personagens. Todo mundo tem algo a esconder, tornando a linha entre bem e mal meio cinzenta e difusa. A Task Force teve atitudes um tanto subversivas, e você só não recrimina tanto por que os bandidos conseguem ser piores. Principalmente no episódio sobre tráfico humano. O assunto foi tratado de forma bem diferente do que se vê, foi ousado. Mas é triste em minha condição de ser humano saber que existe gente capaz de criar e vender pessoas como se fossem cães. Sendo que nem cães deveriam ser criados dessa forma.


Ainda sobre os personagens, dou uma salva de palmas para vários plots. Um que saltou aos meus olhos foi o de Vee. Muito se fala sobre a importância de se abordar assuntos polêmicos, mas nos últimos tempos pouco se viu falar sobre AIDS. Parece até que encontraram a cura. A forma como Vee foi exposta ao vírus e sua angustia pra saber se o tem foram bem construídas e dignas de empatia. E Tae, que parece ter fugido de um passado ainda mais nebuloso que o de Ryan na Coreia, cujo qual ainda pode ser muito explorado. Precisando ainda manter a irmã numa casa de repouso, em que a administradora parece uma mercenária de primeira. E foi mais legal ainda ver esses dois personagens de história tão difícil se apoiando tanto.

Os personagens centrais evoluíram maravilhosamente. Daniel de almofadinha sem graça teve uma grande mudança marcada pelo seu cativeiro, e vem se tornando um mostro. Carlos não lidou nada bem com o fato de ter ficado paraplégico, e não foram raras as vezes em que eu quis que ele fizesse um Walkabout. Mas na reta final ficou visível que ele também está mudando, e gostei muito da forma como deixaram no ar se essa transformação será para pior ou melhor. Agora Ryan... Que show de transformação! Foi muito bom vê-lo começar a questionar os seus princípios e tomar atitudes por si mesmo. Lindo ver como foi motivado pelo seu relacionamento com Jéssica, e como os tristes acontecimentos o levaram a perceber quem realmente se importa com ele. Seu confronto com Javier na prisão foi épico.


Não é segredo que comecei a ver Gang Related por causa do Terry O'Quinn, e foi ótimo vê-lo em um personagem tão instigante. Desde (F)Locke não o via e um personagem ambíguo, e fiquei feliz com isso. Sam Chapel me deixou louca de dúvida. Uma hora achava que confiava cegamente em Ryan e outra hora achava que sabia de tudo e já recrutou Ryan com um plano maquiavélico de dar corda pro coitado se enforcar e destruir toda a gang dos Los Angelicos. E na verdade até agora não sei. Mas aquele final... Nossa mãe! Foi impossível não chorar junto com ele ao encontrar a filha morta daquele jeito. A relação de Chapel com Jessica sempre foi difícil, mas ficou visível o quanto a amava e se arrependia. Foi de cortar o coração. Seu espírito de vingança foi contagiante. E o confronto com Matias (aqui devo dizer que Amaury Nolasco foi um grande acréscimo ao elenco e espero que se torne fixo) foi além de surpreendente um show de atuação.

Uma grande marca das séries policiais é o fato da equipe se tratar como uma família, e com a Task Force não foi diferente. Verdade que todo mundo tem algo a esconder, mas acho que isso deu uma tom de realidade a mais. Mas esse sentimento de família ficou visível mesmo no finale, quando todos deixaram seus distintivos de lado para acompanhar Chapel na vingança pela trágica e inesperada morte de Jessica. Foi bonito de se ver. E isso será importante para Ryan agora que escolheu uma família para ser totalmente leal. Só temo pelo momento que descobrirem tudo.

Gang Related fugiu do procedural comum em séries do seu gênero para desenvolver plenamente sua trama central, o que foi um grande acerto. E ainda assim teve ótimos casos, sendo que todos estavam de certa forma conectados. Afinal, a intenção era de mostrar Ryan fazendo seu trabalho como policial e ao mesmo tempo impedindo que os Acosta fossem presos. Não poderia continuar assim pra sempre, então tratou de fazer uma reviravolta magnífica. Sobretudo, acho que Gang Related cumpriu muito bem sua proposta. De mostrar que todo ser humano é capaz de um ato de barbaridade, de manter um lado negro. Mas que mesmo no meio de tanta atrocidade há quem possa querer e fazer o bem. E espero que a série seja renovada para a 2ª temporada e continue evoluindo cada vez mais.

Média: 9,12

8 comentários:

  1. Gabi eu realmente não estou podendo colocar mais séries na minha lista, pois não estou dando conta. Então agora só colocarei quando sua indicação for super positiva master.
    Me interessei bastante, porém tenho preguiça de assistir a série, por mais que comece fraca e aumenta o nível como você mesmo disse, existem tantas séries por ai com episódios emocionantes desde o primeiro.
    Talvez por isso deixarei Gang Related para outra oportunidade.


    Ótimo texto!
    Bjs
    www.booksever.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. GabrielaCeruttiZimmermann23 de agosto de 2014 18:53

    E eu não posso dizer que não posso colocar mais séries na minha lista porque coloco de qualquer jeito. kkkkkk Bom, aí é mais uma questão de gosto, Filipe. Particularmente tenho visto pouquíssimas séries que conseguem manter um ótimo nível do início ao fim. Comecei GR exclusivamente por causa do Terry O'Quinn, e fiquei feliz de ter motivos a mais pra continuar e espero que seja renovada. Espero que ainda seja uma série de sucesso. Mas por enquanto fico feliz que tenha gostado do texto. ^^


    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, parece uma série muito boa (mas bem tensa)!! Quem sabe qualquer hora eu assisto ela.
    Adoro séries policiais, e pelo jeito essa aí não tem medo de expor alguns temas e situações mais pesados. Acho que vai me agradar, mas tem que estar no clima pra ela.


    Valeu pela dica. Beijos,
    Thiago - http://gentlegeek.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. GabrielaCeruttiZimmermann27 de agosto de 2014 10:04

    Ela demora um pouquinho pra ficar boa mas fica mesmo, Thiago. E o fato de não ter medo de arriscar nos assuntos e nas cenas só contribuiu pra isso. Espero que possa assistir um dia. :)


    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Ei Gabi,

    Hum, mesmo sentindo que posso estar perdendo algo muito bom, meio que vou passar essa série. Tramas policiais na TV não me conquistaram ainda e com tanta coisa pra ver, preciso dar prioridade ao que realmente gosto. Mas seu balanço está tão bom, fico com minhas estruturas abaladas, hehehe.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. GabrielaCeruttiZimmermann28 de agosto de 2014 11:01

    Assim Jeferson, pelo que percebi de outros comentários seus o que você não gosta nas séries policiais é o formato procedural, é isso? Porque se for, então não precisa se preocupar porque Gang Related não usa dessa ferramenta. Foca apenas no elenco. Mas se for falta de identificação com o gênero, então não sei o que dizer. Por enquanto me contento com o fato de você ter gostado do balanço a ponto de ficar dividido. [rs]


    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Oi Gabis,


    É um pouco dos dois :-( Outra coisa que acaba me incomodando é aquela coisa de investigar um caso por episódio. Aí acho que nada nunca é bem aprofundado. Enfim, chatice minha, hehehe.

    ResponderExcluir
  8. GabrielaCeruttiZimmermann1 de setembro de 2014 19:11

    Então é do procedural que você não gosta. Mas assim, Jeferson, mesmo tendo o negócio de "um caso por episódio" todos eles tem um certo tipo de conexão com a história central. Gostei bastante disso.

    ResponderExcluir