sábado, 3 de janeiro de 2015

The Affair – Balanço da 1ª Temporada


Desistindo de abandonar.

Com nossa nova politica de só escrevermos balanços da séries que realmente gostamos e achamos que merecem pensei por um bom tempo que não escreveria esse texto. Mas a série me surpreendeu tanto e me deu um tapa na cara tão forte que tive que me render. E aqui estou eu para falar novamente sobre The Affair, uma das maiores surpresas da temporada.

Com o sucesso do livro Garota Exemplar, que recentemente virou filme protagonizado por Ben Affleck e Rosamud Pike, dramas conjugais e familiares misturados com thriller psicológicos tem ficado cada vez mais em alta. E pra você ter uma história nesse estilo realmente boa precisa de elementos que casem muito bem entre si. Personagens absurdamente realistas, uma trama intricada, momentos psicologicamente perturbadores entre outras coisas. E The Affair teve tudo isso.



Não vou dizer que ando morrendo de amores pela série, não chegou nesse ponto. E posso dizer pra quem leu o texto de primeiras impressões que mantive aquelas mesmas opiniões até o terceiro ou quarto episódio. Mas algo começou a mudar sutilmente, transformando a certeza do flop em desejo e probabilidade de renovação. E se só continuei assistindo para saber quem morreu, como e por quê, agora continuarei para descobrir que diabos realmente está acontecendo. Pois apesar de já ter a resposta para duas das questões anteriores e deduzir a resposta da terceira sei que tem muito mais a ser revelado.

Pode-se dizer que a trama realmente começou a esquentar quando começaram a mostrar as rixas familiares em Hampton e o cartel. Quando o caso de Noah e Alison foi descoberto e o verão acabou. (O caso com certeza seria descoberto. Até Stephen King mencionou em seu Twitter que para duas pessoas que estavam tendo um caso, Noah e Alison eram bem indiscretos.) Quando todos tiveram que lidar com as consequências de seus atos e pequenos vislumbres do presente começaram a ser dados. Quando percebemos que o Detetive Jeffries sabe que um dos dois – possivelmente os dois – está mentindo e começou a entrar no joguinho deles pra ver até onde vão. Pois as versões continuam tão diferentes que tenho dificuldade de escolher em quem acreditar, se é que devo acreditar em alguém.



O mote das versões talvez seja o grande diferencial e atrativo de The Affair. O fato de ter Joshua Jackson no elenco e Blair Brown ter participado como a terapeuta de casal de Noah e Helen chegou a me fazer pensar em universos paralelos. (Entendedores entenderão.) Mas claro que não pode ser isso. Acho que não... Na maior parte do tempo tendo a acreditar mais na versão de Alison, parece mais crua e verdadeira. Mas muitas coisas na versão de Noah trazem pistas relevantes que não vemos na versão dela. Até que um certo detalhe nos últimos episódios me chamou atenção para o fato de que talvez ninguém esteja falando 100% a verdade.

Os personagens surpreendem a cada episódio por sua verossimilhança. Foram muito bem construídos e as atuações são impecáveis. Mas não posso dizer que criei empatia por eles. Na verdade posso dizer que sinto pena de Helen, Cole e das crianças, mas não consigo torcer pra que Noah e Alison voltem para seus casamentos e tampouco que fiquem juntos. Pra ser totalmente sincera não consigo torcer por nada, apenas criar teorias e querer saber o que vai acontecer.

Creio que The Affair acertou ao apostar numa primeira temporada mais lenta com a intenção de dar pistas soltas para que o telespectador fosse juntando as peças e com o golpe final visse que a 2ª temporada promete ação de verdade. Pois a cena final foi um grande e inesperado golpe, mostrando que a série ainda tem muito a revelar. E é por isso que desisti de abandoná-la e fico na aflição de esperar pela próxima temporada.

6 comentários:

  1. Francielle Couto Santos4 de janeiro de 2015 12:51

    Gabi, seus textos são sempre excelentes. Imagino como deve ser difícil falar sobre uma série... tão tantos fatos e altos e baixos, que fica complicado resumir em palavras. E, olha, tiro meu chapéu pra você... quanta série, amiga. UAU!!! Hahahaha. Enfim, você faz um ótimo trabalho.

    Bom, eu acho que esse é o tipo de série que eu veria. Tem o Joshua (ok, parei), e tem assuntos muito interessantes. E ainda tem o fato de que ela surpreende... isso é maravilhoso, acompanhar a evolução da história. No momento não estou cogitando ver mais nada, porque o tempo tá realmente curto, mas tá anotado. Vou continuar acompanhando sua opiniões por aqui...

    Beijos.
    http://universoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. GabrielaCeruttiZimmermann4 de janeiro de 2015 14:32

    Realmente os balanços são os mais difíceis de escrever, Fran. E nunca acho que estão bons o suficiente, mas se você gosta eu fico feliz e agradeço. [rs]


    Honestamente, comecei por causa do Joshua, continuei pra ver quem tinha morrido e agora quero saber tudo. Incrível como uma série que inicialmente não tinha diferencial se mostrou tão intrigante. E mesmo que esteja com tempo corrido, é uma boa pedida pra próxima folga.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Ei Gabis,

    Seu texto me deixou curioso, principalmente ao citar Garota Exemplar, que já li e é incrível. Alguns detalhes sobre a série também me chamaram atenção, mas ainda acho que não é a hora de conferi-la. Sua falta de empatia com os personagem não me soou como algo bom, me pareceu que a série é uma daquelas coisas bem construídas, mas que falta calor, ou algo nesse sentido. Enfim, que venha a segunda temporada e aí eu saberei sua opinião e quem sabe mude de idéia.

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  4. GabrielaCeruttiZimmermann5 de janeiro de 2015 17:31

    É Jeferson, dessa vez não irei insistir pois apesar de The Affair ter me surpreendido não chega a ponto de eu sair recomendando aos quatro ventos. Mas se você ficou curioso com o texto imagine eu com a série. [rs] Garota Exemplar está me esperando na estante e pretendo ler logo. :)


    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Ei Gabi, estou no quarto episódio de The Affair e estou gostando um pouco, espero que melhore como você disse que a partir do quinto episódio fica mais interessante.
    Já estou muito curioso para saber mais sobre quem morreu, e ja desconfiava que o Noah e a Alison seriam descobertos, não são nem um pouco discretos.
    Confesso que me irrita as historias serem um pouco diferentes e eu não saber qual dos dois esta mentindo.

    Abraços
    Www.booksever.com.br

    ResponderExcluir
  6. GabrielaCeruttiZimmermann6 de janeiro de 2015 17:57

    Na verdade não te confirmo nada, Filipe. As mudanças surgem tão sutilmente que não sei precisar quando começam. O certo é que o final foi bem instigante e me deixou ansiosa pela 2ª temporada. E acho que não dá pra confiar em ninguém. [rs]


    Abraços!

    ResponderExcluir