terça-feira, 31 de março de 2015

[Resenha] Scarlet

Nome: Scarlet
Série: Crônicas Lunares – Livro #02
Autora: Marissa Meyer
Edição: 1/2014
Editora: Rocco
Páginas: 480

Sinopse: Depois de Cinder, estreia de sucesso de Marissa Meyer e primeiro volume da série As Crônicas Lunares, que chegou ao concorrido ranking dos mais vendidos do The New York Times, a autora está de volta com mais um conto de fadas futurista. Scarlet, segundo livro da saga, é inspirado em Chapeuzinho Vermelho e mostra o encontro da heroína ciborgue que dá nome ao romance anterior com uma jovem ruiva que está em busca da avó desaparecida. Em uma trama recheada de ação e aventura, com um toque de sensualidade e ficção científica, Marissa Meyer prende a atenção dos leitores e os deixa ansiosos pelos próximos volumes da série.




Comentários:

Crônicas Lunares se tornou de imediato uma das minhas séries literárias favoritas, devo até dizer que é minha favorita em andamento. Infelizmente levei mais tempo do que pretendia para conferir a continuação, mas não aconteceu o que eu temia de que tanto tempo me fizesse criar expectativas demais. Embora ela já fossem bem altas, todas foram superadas. E Scarlet se mostrou uma sequencia eletrizante e digna.

ALERTA DE SPOILER: Apenas o primeiro paragrafo contém revelações sobre o livro anterior. O resto é spoiler free.

Cinder precisa fugir da prisão e encontrar Dr. Erland na África como ele instruiu, para que ela possa aprender a dominar da forma devida o seu glamour e assim tomar o posto de Rainha de Luna que lhe é de direito. Mas Cinder precisa descobrir algumas coisas sobre seu passado antes, ela só não contava que precisaria da ajuda de outro fugitivo para isso. Enquanto isso, no interior da França, a jovem Scarlet está aflita com o sumiço da avó. A policia encerrou as buscas alegando que ela desapareceu por vontade própria, mas a garota tem certeza de que a avó fora sequestrada. Scarlet está disposta a fazer o que for preciso para encontrá-la, até mesmo confiar em um forasteiro que se chama de Lobo. E essas duas garotas nem imaginam o quanto seus passados estão conectados.

Podemos perceber que Cinder é ponto central da série como um todo, mas que cada livro apresentará uma nova garota que de alguma forma está ligada a ela. Essa é a vez de Scarlet, inspirada no conto da Chapeuzinho Vermelho. Uma garota de 18 anos que trabalha na fazenda com a avó Michelle, que cuidou dela desde que sua mãe morreu. Ela adora essa vida simples, cheia de paz e cercada pela natureza. Mas quando seu pai reaparece dizendo que foi torturado pelos raptores de sua avó e que precisa encontrar algo que ela escondia para que possam ser libertados e o recém-chegado lutador de rua mostra saber mais do que aparentava, Scarlet terá que deixar a fazenda.

Talvez meu único receio fosse de que ao contar a história de Scarlet, a de Cinder não recebesse a devida continuidade. Mas o que aconteceu foi o oposto, e as duas histórias seguem em equilíbrio até se encontrarem de forma maravilhosa. Nem mesmo dá para eleger a preferida, pois tanto é gratificante acompanhar a fuga de Cinder e os deveres de Kai como recém coroado Imperador da China como a busca implacável de Scarlet e Lobo por sua avó. E claro, o retorno de Iko que fez meu coração pular de alegria.

Até os novos personagens são tão cativantes quanto os já conhecidos. Scarlet é tão forte e determinada quanto Cinder, mostrando dúvidas e medos em momentos compreensíveis e conseguindo passar por cima deles. Lobo é misterioso e ambíguo, por boa parte tornando impossível saber de que lado estava. E o engraçado é que apesar de rápida, a relação entre os dois é aceitável. Não posso esquecer de Thorne, o Tenente americano preso por traição que se torna parceiro de fuga de Cinder e cujo a mania de grandeza e o sarcasmo são motivos de muitas risadas.

Os capítulos intercalam os pontos de vista de Scarlet, Cinder e Kai. Dois breves capítulos também mostram os pontos de vista de Lobo e da Rainha Levana. A narrativa em terceira pessoa continua envolvente e ainda mais eletrizante. Se o livro de introdução que se passa em um período de aproximadamente duas semanas já se mostra bastante ágil, esse que se passa em cerca de dois dias é totalmente alucinante. Cada página é repleta de ação e existem reviravoltas aos montes, pausar a leitura é uma tarefa quase impossível.

Fiquei ainda mais encantada com a capacidade da autora Marissa Meyer de adaptar um conto de fadas em uma ficção científica futurista. Na verdade o que ela fez foi criar uma nova história, seu próprio universo. Mas com elementos que nos remetessem aqueles clássicos contos. Até o famoso “mas que dentes grandes você tem, vovó!” está lá. De uma forma totalmente surpreendente e reinventada, mas está. O que me fez admirar ainda mais a imaginação e criatividade da autora.

O que também continua maravilhoso é a descrição do planeta na Terceira Era. A França do Futuro é um lugar que eu certamente gostaria de conhecer, embora o que aconteceu com alguns célebres monumentos de Páris na IV Guerra Mundial tenha partido meu coração. Mas a cidadezinha de Rieux, onde Scarlet vivia com a avó parece ser o paraíso na Terra. Sem falar das maravilhas tecnológicas saídas da incrível mente de Meyer. Já quero uma nave que nem a da Scarlet.

Quando li Cinder, sabia que cada livro mostraria uma nova garota e que suas histórias estariam entrelaçadas de alguma forma. E um fato apresentado quase no final do primeiro livro chamou minha atenção para de que forma como os lobos poderiam aparecer aqui em Scarlet, acertei e ainda assim Meyer agregou algo para surpreender. Da mesma forma que o próximo livro tem como base o conto da Rapunzel e desconfio, pelas características, que a garota também já apareceu no primeiro livro. Provando que a trama foi toda previamente planejada.

O terceiro volume de Crônicas Lunares se chamará Cress, e se seguir o cronograma do anteriores deve ser lançado aqui no Brasil na metade do ano. Há também o prequel Fairest, centrado em Levana e que também deve ser lançado no Brasil nesse ano. E existem alguns contos, que espero futuramente serem reunidos em uma única publicação a exemplo do que acontece com outras séries literárias. Essa é uma história ao mesmo tempo inovadora e nostálgica, que recomendo sem medo e sem ressalvas. É só começar e se deixar levar.

2 comentários:

  1. Francielle Couto Santos5 de abril de 2015 18:33

    Gabi, não sei se já comentei contigo, mas eu adoro a forma como você escreve. Parece que tu tá aqui na minha frente, falando sobre o livro... uma linguagem simplesmente deliciosa. Adoro estar aqui (queria mais tempo para fazer isso...). Fiquei interessada pela série por sua causa... lembro da sua resenha sobre o primeiro livro, e fico muito contente por saber que a continuação manteve a qualidade da trama. Nada mais desanimador do que ver algo que se curte muito ir se perdendo... torço para que o terceiro volume seja de tirar o fôlego. E quem sabe eu não leia também, hein!?

    Beijos,
    http://universoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. GabrielaCeruttiZimmermann6 de abril de 2015 19:26

    Seu comentário me deixa muito feliz, Fran. Quero que os textos passem a sensação de um comentário feito por um amigo, e saber por você que consigo isso é muito gratificante. :)


    Sim, manteve a qualidade e aumentou o interesse. Por sorte ainda li nenhuma sequência decepcionante, e fique feliz por não ser Crônicas Lunares a mudar isso. [rs] Quero muito o terceiro volume e espero que você também leia um dia. ^^


    Beijos!

    ResponderExcluir