sexta-feira, 25 de julho de 2014

Um outro olhar sobre: The Walking Dead


Não é apenas uma série sobre zumbis...

Olá, pessoal! Estou de volta com minha coluna que não tinha nome, mas que agora se chamará "Um outro olhar". \o/ 

Dessa vez, vou falar sobre The Walking Dead. Mas não uma review ou coisa do tipo, e sim um "outro olhar" mesmo sobre a série. Vamos lá? =)

Durante os últimos anos, sofremos com uma infestação de zumbis na cultura "pop": filmes, seriados, games, quadrinhos, mangás... Enfim, tudo o que poderia ser feito com os mortos-vivos, foi feito. Como sempre, muitas coisas ruins surgiram dessa febre. Mas uma pequena quantidade dessas produções acabaram se salvando, e The Walking Dead é uma delas.

Confesso que não acompanhei o início desse hype, já que comecei uma mega maratona de TWD há alguns meses e vi as quatro temporadas de uma vez. Aproveitando o momento, também confesso que não li as histórias em quadrinhos e muito menos os livros. Ou seja, este será um post sobre a série. Que não é sobre zumbis.


Para quem nunca viu, aqui vai um pequeno resumo sem spoilers: o personagem principal, Rick, é um assistente de xerife. Certo dia de trabalho, ele leva um tiro e vai parar no hospital, quase morrendo. Quando ele recobra a consciência, passaram-se seis meses e o mundo está aparentemente deserto - restando apenas os zumbis. Conforme passa o tempo - e os episódios -, Rick vai aprendendo mais sobre como essa epidemia começou e encontra sobreviventes com os quais forma alianças. A partir daí, é sobreviver à ameaça zumbi e aos próprios humanos.

Uma coisa curiosa em TWD é que os zumbis, que parecem ser super importantes para a trama em um primeiro momento, ficam apenas no plano de fundo. Bem lá no fundo. Porque o que interessa mesmo, jovem leitor, é a ambição das pessoas que ainda estão vivas. E até onde essa ambição leva essas pessoas. E até onde elas estão dispostas a ir para sobreviver.


Sim, não é uma série sobre zumbis...

É uma série sobre pessoas desesperadas, que matam até seus colegas se isso garantir sua sobrevivência. Pessoas que mentem e enganam uns aos outros para manter alianças. Que matam inocentes para evitar uma epidemia de gripe (!!!) ou para tomar uma área que parece mais segura. Mata-se pais, mata-se mães, mata-se crianças esquizofrênicas... Tudo pela sobrevivência.

E você se pergunta: eu faria diferente?


Não. Porque o que importa é sobreviver a mais um dia. Não em um apocalipse zumbi, mas em um mundo sem leis. E é sobre isso que The Walking Dead fala. E é por isso que essa série é tão legal e faz tanto sucesso: porque ela coloca a sua própria humanidade, amigo leitor, em xeque e faz você se questionar se não faria o mesmo que aqueles personagens, em situações parecidas. 

Realmente recomendo essa série a todos que curtem uma boa trama, cheia de suspenses, e para todos que gostam de ficar pensando sobre a série ou filme mesmo horas depois de ter assistido. Vale a pena ver. E quanto aos zumbis, sim, são um poco nojentos. Mas você se acostuma e acaba nem ligando mais para a carnificina toda. rs



2 comentários:

  1. GabrielaCeruttiZimmermann25 de julho de 2014 18:27

    Eu até assistiria se eu não fosse tão medrosa, Hanna. [rs] Já na época da estreia tive certa vontade de assistir, mas além de estar com muitas séries na grade via todos comentando dos sustos e logo pensei que não era pra mim. Mas acho interessante essa forma de tratar da luta pela sobrevivência, então fica pra "um dia, talvez". ;) Ótimo texto.


    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Francielle Couto Santos28 de julho de 2014 16:06

    Post bastante reflexivo. É importante que haja esse debate sobre esse outro lado de TWD. Muita gente só acompanha a série para vê as cenas de ação, o mata mata e a destruição (ahauahua), mas esquece que o psicológico precisa ser trabalho, e que esse lado tem algo a nos mostrar. Enfim... gostei. Muito boa as observações.


    Abraços.
    universoliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir