terça-feira, 16 de setembro de 2014

[Mês Lost] LOST: Uma Trajetória Inesquecível


Texto por Fábio Lins

Não é apenas uma série de TV. Não foi apenas uma série de TV. LOST nos trouxe experiências incríveis ao longo de seus 121 episódios, 6 anos, e agora, completando 10 anos de existência, nos remete às lembranças de toda trajetória vivida e assistida, momentos que dificilmente serão revividos na TV.

Mesmo você que nunca assistiu um episódio sequer da série, você não conseguirá, infelizmente, absorver o tanto de sentimentos que a série proporcionou quando estava sendo exibida. Porém, assistir a série ainda é altamente gratificante.

A série tirou, literalmente, o público da TV. Normalmente os programas de TV começavam e terminavam na TV, mas com LOST foi diferente: os episódios não duravam quarenta e poucos minutos, e sim, uma semana ou mais. Você assistia o episódio e corria pra internet. Pra ficar "pronto" para o episódio seguinte requeria assistir o episódio (duas ou mais vezes), ler reviews, easter eggsd, entrevistas dos produtores, ouvir podcasts, assistir vídeos promocionais, enfim. Era uma rotina intensa, proporcionalmente satisfatória e envolvente. 


Por muitas vezes o "pós-episódio" era até melhor do que os episódios em si, a TV parecia estar "apenas" acendendo o pavio de um barril de pólvoras, e ele ia queimando durante toda a semana. Assistindo a série hoje, pela primeira vez, o telespectador infelizmente não conseguirá participar dessa rotina, e após assistir a série, provavelmente desejará uma máquina do tempo, voando para 2004 e acompanhando a série nos seus mínimos detalhes. 

Sendo assim, a semana não era tão sofrida. O sofrimento vinha mesmo quando os hiatos eram maiores, duas semanas ou mais. E isso foi muito responsável pela existência de diversos blogs de séries. Uma enxurrada deles foram criados, e LOST era o carro chefe de todos. Esses espaços serviam de alento para a dolorosa espera, pois ficar uma semana sem a série era até "aceitável", mas um ano, era uma verdadeira penitência.

E os produtores sabiam disso, chegando a lançar jogos de realidade alternativa nesse meio tempo. Tivemos o Lost Experience, um jogo de ARG desenvolvido pelos escritores e produtores da série para expandir o seu enredo. Algumas respostas foram até dadas lá, de forma oficial, como no caso dos "Bad Numbers". Um game foi lançado para entreter e diminuir a ansiedade dos fãs, enfim. LOST se tornou muito além do que uma série de TV, e dez anos do seu início, isso nunca foi repetido, apesar de inúmeras tentativas. 



Livros, revistas especiais... tudo, tudo relacionado à série era consumido e investigado, literalmente. A série foi o programa de TV que mais foi debatido, em todos os tempos, e muitos esqueceram que aquilo era um programa de entretenimento, debatendo-o como se fosse uma religião. Os episódios eram picotados, analisados quadro a quadro. Qualquer aspecto diferente era jogado na internet, debatido ao extremo, e muitos deles nem foram inseridos na série propositadamente pelos produtores. 

Os fãs foram além dos produtores. Imaginaram coisas inimagináveis, teorias mirabolantes eram criadas diariamente, todos queriam que a série fosse para um caminho inimaginável, e a expectativa excessiva por respostas (e sim, nada relevante foi deixado sem resposta) talvez tenha decepcionado alguns fãs, que simplesmente odiaram o fim porque não bateu com o que imaginavam, não bateu com a teoria mirabolante que teriam criado.

E isso fez parte. Era impossível agradar a todos, como LOST não agradou. Mas pela minha vivência e pesquisa na época, a maioria gostou do desfecho, porém a minoria é mais chata, mais barulhenta, então não se deixe levar. O fim pode ter trazido controvérsias, mas a experiência, a trajetória, o prazer disseminado ao longo da série, são aspectos unanimemente reconhecidos. 

Por fim, ao nos depararmos com o aniversário de 10 anos da série, uma sensação de felicidade é nos remetida. Parece que foi ontem, parece que ainda não acabou. Aqueles personagens, aquela história ainda está viva em nosso interior, fazendo com que sempre lembremos da série com carinho, e muitas vezes nos levam ao erro de buscar um "novo LOST", acompanhar trabalhos dos atores da série pensando que teremos essa sensação de volta. Não teremos.

LOST é único.Dificilmente teremos algo parecido novamente na TV, resta-nos rever a série, para que não possamos apenas reviver o seu enredo, mas sim, principalmente, deixar vivo em nossa mente essa trajetória inesquecível. 
  


Fábio Lins é um grande seriador
desde que se apaixonou por LOST.
Criador do Viciado em Série,

4 comentários:

  1. Olá Fábio,

    Uau! Parece realmente ter sido intenso acompanhar LOST em seu período de exibição. Concordo quando você diz que não é uma experiência igual para quem vai começar a ver agora, como no meu caso. Mesmo assim me
    espero deslumbrar com essa série que encanta e impressiona diversas pessoas.

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. Francielle Couto Santos20 de setembro de 2014 10:50

    Fábio, tu disse tudo. Nem tenho o que acrescentar...
    LOST foi um marco na TV. Um série revolucionária. Inesquecível aos fãs, e memorável na história da serialidade.


    Abraços.
    http://universoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Fran, lisonjeado em ouvir isso de você. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Valeu Jeferson, deslumbre, vale muito a pena! Obrigado.

    ResponderExcluir